4 de jul de 2010

O bom debate sobre as Eleições 2010 (V)


Por Fábio Rodrigues

Um assunto que irei falar hoje é bem indigesto para os políticos profissionais - Nepotismo Eleitoral. Tentei achar um texto que escrevi a quatro anos atrás falando do assunto e não obtive êxito, o título era algo assim: Políticos: seus filhos, netos e bisnetos. Sou contrário a esse tipo de herança política que está virando febre entre todos os políticos, inclusive nos ditos de esquerda e progressistas. E a ex-UDN, ex-Arena, ex-PDS, ex-PFL, agora DEM está fazendo escola para todos.

Continuo com a mesma opinião, não acredito que seja salutar para democracia representativa termos os tentáculos de determinado líder político ocupando os demais espaços executivos e legislativos. Pois isso lembra muito o tempo do Coronelismo, símbolo de autoritarismo e impunidade. O "Coronel" tinha em suas mãos (ou no seu chicote) os votos de seus subordinados, e assim elegia quem quisesse.

Na Paraíba e em Pernambuco essa forma vergonhosa de transferir votos, como uma salada de frutas entre pai, mãe, filho, tio, sobrinho, irmão, cunhado, ... é público e notório. Os políticos que estão impedidos pela lei anti-nepotismo de contratar assessores da família, acham em um novo mandato a saída para a farra pública. Quem não sabe de pelo menos de um caso real, e muitos tentados sem sucesso? Inclusive, já seria o momento também da sociedade exigir uma lei para barrar essa farra eleitoral entre familiares.

Acredito que esse cenário não está muito bom para os herdeiros políticos, muitos vem sofrendo derrotas acachapantes. Ter um familiar político não é credencial para nenhum cidadão sair dando carteira: "Sabe de quem sou filho? Você deve votar em mim por isso! Afinal, meu pai, meu tio, meu irmão, meu parente fez um favor para você". Quando o político repassador de votos possui um eleitorado baseado no clientelismo (troca de favores e benesses) o seu parente possui maior chance de conseguir uma herança eleitoral, caso o político tenha um eleitorado baseado no voto de opinião essa tarefa fica muito difícil.

O Blog Acerto de Contas tem levantado um debate interessante sobre esse tema, chamando a ação de filhotismo, e gerado até algumas raivinhas de pessoas que são atingidas pela crítica. Entre uma das postagens encontrei um comentário muito legal: “A pior doença sexualmente transmissível é a herança política” Parteira do interior de Caiana-PE.

Leitor, e você o que acha do filhotismo político?


Postagens relacionadas: "O bom debate sobre as Eleições 2010 (IV)", clique aqui.
"Nosso futuro depende dessa luta entre políticos por vocação e políticos por profissão.", clique aqui.
"Os piores serão escolhidos se os bons não forem reconhecidos!", clique aqui.


Postagens relacionadas no Acerto de Contas: "Filhotismo: o subproduto da sociedade pernambucana", clique aqui.
"PT segue estratégia do Baby Boom e lança JPLS Júnior", clique aqui.
"Eles admiram o socialismo e flertam com o capitalismo. Mas gostam mesmo é do filhotismo.", clique aqui.



Comente nossas postagens! Com problemas para comentar? (clique aqui)

Gostou desse assunto, envie para seus contatos.

Obrigado pela visita e esperamos sempre sua volta.

Site: http://www.BlogdoFabioRodrigues.com.br
Contato: FabioRodrigues@FabioRodrigues.com


5 comentários:

  1. Fábio,
    Postagem nota 10. A conscientização do voto é um caminho inevitável para termos uma sociedade melhor. Você vem contribuindo de forma ímpar nessa construção.
    Siga em frente com fé na vitória, Daniela Loureiro.

    ResponderExcluir
  2. Olá Daniela,

    Agradeço sua gentileza, e precisamos trabalhar em nosso círculo social que a responsabilidade de uma sociedade mais justa é tarefa de tod@s as pessoas, não só dos governantes, dos políticos. Afinal, eles sairam de onde estamos.

    Eleger políticos honestos e atuantes só depende de nós. Todos estão aí porque optamos por eles para nos representar, substituí-los é uma questão de amadurecimento cívico.

    Nenhum político tem mandato vitalício, basta aumentarmos o senso crítico e votar em novos quadros.

    Abraço fraterno e vamos em frente,

    Fábio Rodrigues.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom esse texto, Fábio. Parabéns!

    Concordo com você, acho que deveria haver algo
    que impedisse esse "filhotismo", muito bem associado por você ao tempo do coronelismo.

    E me arrisco a ir além, na minha opinião deveria existir leis que impedissem as pessoas de fazerem "dos cargos políticos" sua profissão.
    Explico...
    Ninguém, a meu ver, deveria poder passar mais de 2 mandatos (sendo otimista) no mesmo cargo. Há tantos políticos (vereadores, deputados e até senadores) que se perpetuam no cargo, e pra quê?

    Sei lá, acho que estou um pouco desiludida do atual cenário político, por mim, mudavam-se todos os políticos para vermos se aparece algo novo.

    Abraços,

    ResponderExcluir
  4. Oi Gê,

    Primeiramente quero agradecer essa força que você dar para nosso blog, nas diversas frentes.

    Quanto a essa ideia de 2 mandatos para o legislativo é muito boa e já tem um perfil do Twitter @DeputadoDigital que divulga a seguinte Proposta: Cargo legislativo apenas 2 mandatos, desta forma teremos deputados comprometidos com o país.

    Esse perfil tem um projeto de eleger deputados comprometidos com práticas éticas sem gastar grana ($$$), só através da internet.

    Também já escrevi aqui no blog, que o mandato vergonhoso de 8 anos para senador têm que acabar, é 4 anos e pronto.

    Acredito que a política já foi pior Gê, e nesse cenário que a informação corre rápido pela internet, ficamos às vezes desanimados com tanta sujeira. No entanto, ai que devemos resistir e lutar contra tudo isso que está posto. Sei que você é aguerrida e não desisti nunca!

    Devemos ser otimistas que a mudança vai acontecer, de forma gradual claro. Não tão rápida quanto queremos, e muito menos tão lenta quanto os políticos profissionais sonham.

    Quero aqui dizer, pois não podemos deixar de incentivar pessoas boas e honestas para participar da política partidária, que você é um quadro importante para já pensar em ser uma vereadora, no mínimo. Tem meu voto e meu apoio incondicional. Afinal, o político que você deseja ver pode está adormecido no seu coração.

    Depois dessa eleição, caso você queira, podemos começar a planejar alguma coisa para 2012. Algo diferente, com várias ramificações de mobilização da juventude. E nessa área você já é uma pessoa bastante articulada.

    Abraço fraterno e fico no aguardo do aceite da ideia,

    Fábio Rodrigues.

    P.S.: A resposta pode ser pelo e-mail.

    ResponderExcluir
  5. Amig@s leitores,

    Para quem ficou curioso, Germana já me respondeu por email.

    E sendo a resposta por email, entendo que é confidencial.

    ResponderExcluir

Clique no link "Postagem(ns) mais antiga(s)" (acima), para continuar lendo nosso blog. E a qualquer momento clique no link "Início" para voltar a página inicial.