15 de mai de 2009

A culpa é de quem mesmo?


Por Sérgio Montenegro, no seu Blog

Seria estranho, se não estivéssemos falando da atual política no Brasil. País onde a opinião pública e a imprensa, de repente, são apontadas como os grandes vilões, bodes expiatórios dos desmandos. Pelo menos é o que parte dos congressistas quer nos fazer acreditar.

O episódio da substituição do deputado Sérgio Moraes, do PTB gaúcho, da relatoria do processo de quebra do decoro parlamentar contra o colega Edmar "dono do castelo" Moreira (sem partido-MG) tornou-se a arena onde os leões - no caso, os deputados do Conselho de Ética da Câmara - passaram a tentar devorar jornalistas e eleitores.

Depois de Moraes ter afirmado estar se lixando para o que pensa a opinião pública, e acusar a imprensa de distorcer suas declarações, vários parlamentares assumiram o mesmo tom. Passaram a culpar os meios de comunicação pelos escândalos registrados na Casa.

Ora, a imprensa tem se ocupado tão somente em divulgar o que acontece no Senado e na Câmara dos Deputados. E como por lá, ultimamente, só acontecem escândalos, crises e denúncias de corrupção e negociatas, os jornais só poderiam refletir o cotidiano dos congressistas.

É muito mais fácil culpar terceiros por seus próprios desvios. Mas diante da sucessão de desastres que vem marcando a rotina nas duas casas legislativas, vai ficando cada vez mais difícil convencer a opinião pública de que os congressistas não são os responsáveis por todos eles.

Bem ou mal, o País vem passando por mudanças, inclusive no modo dos eleitores encararem a política egoísta e suja, feita por quem foi colocado lá para representar o povo. E reafirmar insistentemente que não está preocupado com o que pensa a opinião pública só dará aos eleitos uma sobrevida menor no poder.

Tratar o eleitor como gado vai, sem dúvida, custar mais caro a partir do ano que vem. Ninguém duvide dos efeitos drásticos que as urnas podem revelar, diante do cenário obscuro exposto hoje no Congresso Nacional.

Nas eleições de 2006, o índice de abstenção foi de 16,75%. Mas em 2010, a esperança é de que, em vez de se ausentarem ainda mais, os eleitores – mais conscientes, graças, exatamente, à divulgação dos escândalos, e menos afeitos aos cabrestos impostos por tantos Moraes e Moreiras – compareçam em massa para dar o merecido troco.

Pena que o progresso seja mais lento do que deveria. Dada a dimensão continental do País, lamentavelmente alguns desses maus políticos ainda conseguirão se safar do prejuízo.


Não deixe de comentar nossas postagens.

Gostou desse assunto, envie para seus contatos.

Obrigado pela visita e esperamos sempre sua volta.

Site: http://www.fabiorodrigues.com
Contato: fabiorodrigues@fabiorodrigues.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Clique no link "Postagem(ns) mais antiga(s)" (acima), para continuar lendo nosso blog. E a qualquer momento clique no link "Início" para voltar a página inicial.