5 de abr de 2009

O Brasil de Lula sai bem na foto

Clique na imagem para ampliar

Por Ricardo Kotscho.
Publicado no Portal IG.

Na foto dos 31 líderes mundiais reunidos quarta-feira no encontro ampliado do G20 em Londres para decidir os novos rumos do planeta diante da crise, o presidente Lula aparece sentado, sorridente ao lado da rainha Elizabeth 2ª e do anfitrião, o primeiro-ministro britânico Gordon Brown.

Atrás dele, em pé, com o mesmo sorriso franco, está o homem mais poderoso do mundo, Barack Obama, o presidente dos Estados Unidos, que deixou o Clóvis Rossi tão encantado durante uma entrevista que nem falou da foto em sua coluna.

Pode parecer um detalhe banal, tanto que a foto não está nem na primeira página da Folha, o jornal que assino e leio no café da manhã. Também não se faz, nos caudalosos textos das páginas internas, qualquer referência à posição privilegiada do nosso presidente na foto oficial.

Quais foram os critérios? Quem determinou onde ficaria cada um dos líderes? Gostaria de saber. Será que não havia nenhum repórter lá quando este time dos donos do poder mundial se ajeitou e posou para a fotografia?

Trata-se de uma imagem emblemática sobre a nova posição que o Brasil ocupa no mundo, pois até pouco tempo atrás não era tão comum o nosso país participar de reuniões deste porte, muito menos o presidente brasileiro sair tão bem na foto, cheio de graça e moral.

“Para um torneiro-mecânico até que está bom demais…”, eu costumava brincar com ele quando o acompanhava a estas reuniões nos dois primeiros anos de governo. Até para o próprio Lula, acho que tudo isso já virou rotina e nem lhe chama mais a atenção.

Mais importante do que a imagem, porém, é a nova atitude da delegação brasileira nestes encontros. Ao invés de ir lá mendigar ajuda ao FMI para não quebrar, agora o Brasil toma a iniciativa de propor uma reforma deste organismo multilateral - e se propõe a ajudar os países mais pobres.

“Vamos falar de igual para igual. Se for necessário colocar dinheiro como empréstimo, desde que não diminua nossas reservas, não tem problema. O Brasil não vai agir como se fosse um paisinho pequeno sem importância”, avisou Lula na entrevista que concedeu na viagem de trem até Londres, depois de almoçar com o presidente francês Nicolas Sarkosy, em Paris.

Ele agora pode falar isso porque o Brasil durante seu governo não só zerou a famigerada dívida externa como tem hoje mais de 200 bilhões de dólares em reservas internacionais.

Em seis anos e três meses de governo, o antigo líder sindical mudou a cara do Brasil lá fora e é recebido e respeitado pelos principais líderes mundiais como um igual. Hoje à tarde, por exemplo, terá um encontro bilateral solicitado pelo presidente da China, Hu Jintao.

Lula, de fato, não precisa ler os jornais brasileiros para saber o que pensam os homens que decidem os destinos da economia mundial. Fala diretamente com eles e por eles é ouvido como jamais aconteceu antes com qualquer outro presidente brasileiro.

Sei que alguns leitores vão se sentir injuriados e pessoalmente ofendidos com o texto acima. Mas estes são os fatos, meus caros amigos, não há mais como negar. E me sinto muito feliz por poder relatá-los a vocês, ao contrário de alguns colegas que insistem em esconder a realidade.

Ricardo Kotscho é jornalista.

Fonte: Portal PT
Foto: Gazetaonline

Não deixe de comentar nossas postagens.

Gostou desse assunto, envie para seus contatos.

Obrigado pela visita e esperamos sempre sua volta.

Site: http://www.fabiorodrigues.com
Contato: fabiorodrigues@fabiorodrigues.com

2 comentários:

  1. Fábio,

    Parabéns pelo blog e pelo texto!

    Antes de tudo confesso que, como brasileiro, fiquei feliz em encontrar o presidente brasileiro numa posição de destaque na foto oficial do encontro do G20. Isso dá um destaque positivo para o nosso querido Brasil. Sobre esse assunto, se bem entendi, você desconhece se há algum critério para isso, isto é, para o posicionamento dos participantes na foto. A informação que tenho é de que quanto mais tempo esteja o mandatário no poder, mais próximo ele ficará dos anfitriões, ou seja, da rainha e do primeiro-ministro. O mais antigo é, pois, um tipo de decano.

    Com relação ao FMI é relevante a nossa situação atual. Sou da geração de Lula, ou seja, a geração que xingou essa instituição o quanto pode. Graças a Deus conseguimos sair do seu jugo. Entretanto, esse mérito não se deve apenas a esse governo. Diga-se de passagem, nem sou tucano, tampouco admiro FHC, contudo tenho que reconhecer que o governo deste também tem mérito na atual situação econômica que possibilitou nos livrar-mos do FMI. Portanto, mutatis mutandis, estou plenamente de acordo com tudo que você disse.

    Só mais uma coisa: recebi o link do seu blog mediante mensagem enviada pelo meu filho Castor (Neto).

    Parabéns,

    Antônio Gondim

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Sr. Antônio.

    Compartilho também sua felicidade em ver nosso país ser colocado numa posição de destaque.

    Quanto ao critério, de fato desconheço, e inclusive esse texto é do Ricardo Kotscho, só lembrando, não é minha autoria.

    Quanto ao mérito da política econômica ainda não tenho opinião completamente formada, estou dando uma estudada mais avançada nesse assunto e posteriormente, inclusive, estarei colocando uma postagem a respeito desse tema.

    Aproveito também para parabenizá-lo pelo filho honrado que têm, o amigo Castôr.

    Espero seu retorno por aqui sempre, tanto lendo como comentando.

    Abraço fraterno.

    ResponderExcluir

Clique no link "Postagem(ns) mais antiga(s)" (acima), para continuar lendo nosso blog. E a qualquer momento clique no link "Início" para voltar a página inicial.